quarta-feira, 19 de julho de 2017

UM DIAGNÓSTICO EXATO

 Os sãos não precisam de médicos, e sim os doentes... pois não vim chamar os justos, e sim pecadores ao arrependimento.
(Mt 9.12-13)

"Creio que a Bíblia é a Palavra de Deus - escreveu um médico - porque 'discerne os pensamentos e propósitos do coração'(Hb 4.12).

Para mim que sou médico, uma das razões mais convincentes do poder da Bíblia é que ela faz um diagnóstico certeiro de meu estado interior. O mal oculto que nenhum meio de investigação moderna - Scanner, radiografia, ecografia - é capaz de revelar, a Bíblia o revelou a mim. Sem correr o risco de cometer um erro, ela declara o que sou por natureza: perdido por causa de meus pecados, privado da vida de Deus.

Fiz esta descoberta na Escritura e também encontrei nela o grande remédio. Descobri o próprio Deus, um Deus muito diferente daquilo que eu havia imaginado. Cheio de amor e  de compaixão, Ele se aproximou de mim por meio de Seu Filho, Jesus Cristo, O Criador dos mundos, que Se fez homem para poder me resgatar e dar vida eterna.

Creio na Bíblia, porque ela se adapta a todos os níveis sociais e a todas as raças. Conhecê-la e não crer nela é um suicídio espiritual!

E como a fé me coloca em um relacionamento com O Deus verdadeiro, vou para onde Ele me conduzir, sem questionar Sua vontade. Sei que essa vontade é melhor que toads as minhas ideias; posso abandonar meus mais apreciados planos. A fé em deus não tem limites."

(BOA SEMENTE - DEVOCIONAL 2004)

segunda-feira, 17 de julho de 2017

UMA HONESTA CONFISSÃO



"Eu vim aqui para impedí-lo de prosseguir porque o seu caminho me desagrada."
(Nm 22.32)


Há uma história no Antigo Testamento sobre um profeta chamado Balaão, cuja jumenta falou a ele(Nm 22.22-35). Ele não era israelita, mas, um sacerdote adivinho conhecido entre as nações daquele tempo, motivado pelo dinheiro, destituído de zelo genuíno pela honra de Deus e santidade de seu povo. Um homem que atentava apenas para os seus objetivos e fins.

O que Balaão irá descobrir mais tarde e terá que contar ao povo de Deus é que "Deus não é homem, para que minta; nem filho de homem, para que se arrependa; porventura, diria ele e não o faria? Ou falaria e não o confirmaria?(Nm 23.19). Certamente essa não é uma profissão de fé do falso profeta, pois nota-se que até o fim ele coloca sua crença nas promessas dos homens. Balaão teria que encarar a verdade de que Deus nunca falha; nunca hesita; nunca muda. Por Sua Própria natureza, Ele é Fiel e Leal às Suas promessas e alianças. Essa afirmação vinda de um homem completamente cego espiritualmente é um alento e uma confirmação ao nosso coração da fidelidade do Senhor.


segunda-feira, 26 de dezembro de 2016



Que pensais vós de Cristo?
(Mt 22.42)

Há uma gama de coisas que consideramos importantes na nossa vida: família, saúde, situação financeira, casamento.

Há mais de 2000 anos atrás , Jesus fez essa pergunta a Seus contemporâneos. O que eles, entretanto, não sabiam é que essa seria a pergunta mais importante a ser feita a humanidade; é a resposta a ela que irá definir o futuro de cada ser humano.

Hoje, essa mesma questão continua sendo feita e é incrível o número de pessoas que não sabem quem Jesus Cristo é realmente. Elas tão somente o elevam à categoria de "religião".

É lamentável aprisionar O Filho de Deus às paredes de igrejas e templos. Um dia, O Senhor dos senhores, Rei dos reis, exercerá Seus direitos e Poderes sobre toda a humanidade; primeiro como Juiz e depois como Soberano. A Bíblia há séculos e séculos revelou esse fato e são muitos os que aguardam a Sua volta. Dia a dia os sinais podem ser percebidos e demonstram o iminente cumprimento das professias sagradas. Cada dia está mais perto a realização do Plano de Deus para o homem.

Quando finalmente Cristo voltar a única coisa que realmente valerá será o fato de como as pessoas O consideram. A rejeição e a indiferença determinarão consequências fatais e irremediáveis.

Isso tem soado como um conto da carochinha para muita gente, algo inacreditável de aceitar, e a única coisa a fazer será esperar que os eventos confirmem a veracidade da Palavra de Deus.

sábado, 16 de janeiro de 2016

INIGUALÁVEL AMOR DE DEUS

“Porque apenas alguém morrerá por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém ouse morrer. Mas Deus prova o seu amor para conosco em que cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.
( Rm 5.7-8)

E então a gente se pergunta: será que não é demais morrer por alguém, ainda que este seja uma pessoa boa e justa? É claro que admiramos e respeitamos aqueles que têm um senso de justiça apurado, que não discriminam, são sempre agradecidos e destituídos de preconceitos. E como este mundo permeado pelas mais vis injustiças seria diferente se existisse mais pessoas assim? Todavia, morrer por pecadores? Nunca! Não temos um altruísmo tão latente! Pode até ser, que alguém, devido a sua benevolência e amor, tivesse ido muito além da justiça e conquistado o nosso afeto, quem sabe poderia ser diferente? Conhecemos inúmeros casos de pais e filhos, amigos, amantes e cristãos mártires, que deram a sua vida por outros, pagando um preço inestimável e inimaginável. E tais indivíduos são admiráveis.


Contudo, quando nos deparamos com as Sagradas Escrituras, esta nos revela que aonde o coração humano chegou ao seu limite, o Amor de Deus teve início: Pois Deus prova o seu amor para conosco em que cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores, isto é, nem bons, nem justos, mas inimigos e longe de Deus. O Senhor ama aqueles que não lhe deram uma única razão para isso. Tal atitude é impensável e impossível para nós, reles seres humanos! Mas, O Amor de Deus é exatamente assim. Sua Grandeza e Nobreza pode ser medida e avaliada pelo fato de DEUS ter enviado e entregado o Seu Filho, Jesus Cristo, para morrer por cada um de nós pecadores. Quanta graça, que privilegio, que benção maravilhosa para aqueles que podem declarar: ”QUANDO ÉRAMOS PECADORES”.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

O DEUS DO INESPERADO

“Porque o Senhor fizera ouvir no arraial dos sírios ruídos de carros e  ruídos de cavalos...Pelo que se levantaram e fugiram no crepúsculo.”
(2Rs7.6-7)

A leitura da Bíblia nos revela O Deus Onipotente que faz o inesperado e também o inconfundível.
 Samaria experimentava um período de opressão, provavelmente o maior e o pior cerco de sua história. O grande e temido exército da Síria cortou de tal forma os suprimentos da capital de Israel, que uma terrível fome se abateu sobre a cidade. É repugnante a gente observar a prática do canibalismo e que as fezes de pombos valiam mais que a prata. Observamos um povo completamente desesperado e inseguro.

Foi um tempo no qual Deus levantou e enviou Eliseu para proclamar, além da mensagem de Salvação, a chegada de uma abundante fartura de alimentos.

Será que acreditaríamos nas palavras do profeta que ia de encontro a tudo aquilo que ele anunciava? Naquele tempo, da mesma forma que hoje, havia pessoas inteligentes, bem informadas, cheias de si, que duvidavam e não davam à mínima à Palavra do Senhor e Suas promessas.

Todavia, O Deus todo Poderoso, pôde mostrar a essas pessoas quem Ele realmente é! Com a força do Seu Poder moveu os meios para que as poderosas tropas sírias escutassem apenas um ruído, e fez com que aqueles homens habituados a lidar com guerras e violências ficassem em pânico batendo em retirada. Fugiram deixando para trás as riquezas e os despojos. Não foi um exército agressivo e poderoso, nem um desastre natural que aterrorizou o esquadrão sírio, mas, uma pura e simples ilusão. Essa é a prova de que jamais, em tempo algum, venhamos duvidar do poder do Soberano e Senhor dos Exércitos.



domingo, 3 de janeiro de 2016

NOSSO MAIOR INVESTIMENTO

“E puseram sua sepultura com os ímpios, e com o rico na sua morte; porquanto nunca fez injustiça, nem houve engano na sua boca.
(Isaías 53.9)


Qualquer cristão ou leitor da Bíblia conhece o suficiente da vida de Jesus para saber, que embora fosse absolutamente Inocente, foi executado como o mais vil dos criminosos. Apesar de Pilatos reconhecer Sua inocência, ainda assim, recebeu a mais humilhante das condenações: ser crucificado, tendo ao lado dois ladrões. Todos que se levantaram contra O Messias, acusando-O e tratando-O como o mais abjeto dos homens, jamais poderiam imaginar o lugar de honra que estava preparado para o Seu sepultamento.

Muitos anos antes do nascimento de Cristo, Isaías profetizou que Ele estaria “com o rico na sua morte”. Sabe-se que vários pergaminhos foram encontrados próximos ao Mar Morto, e entre eles havia uma cópia do Livro de Isaías escrito mais de um século antes do ministério do Senhor Jesus. Essa profecia, portanto, jamais poderia ter sido tramada.

Lemos no Evangelho de Mateus que havia um homem, cidadão admirável, que reivindicou o corpo de Jesus e O colocou numa tumba lavrada na rocha.

Ao cair da tarde chegou um homem rico, de Arimateia, chamado José, que se tornara discípulo de Jesus. Dirigindo-se a Pilatos, pediu o corpo de Jesus, e Pilatos ordenou que lhe fosse entregue. José tomou o corpo, envolveu-o num lençol limpo de linho e o colocou num sepulcro novo, que ele havia mandado cavar na rocha. E, fazendo rolar uma grande pedra sobre a entrada do sepulcro, retirou-se. (Mt 27.57-60)

José de Arimateia não podia imaginar que mediante aquela atitude cumpria-se o que foi predito pelo profeta Isaías no Antigo Testamento. Deus, que vela sobre a Sua Palavra, moveu os meios e as atitudes para torná-La Verdadeira e Evidente. Essa demonstração de zelo e fidelidade do Senhor à Sua Palavra é tão somente uma prova da Divina inspiração da Bíblia, pela qual, a sua leitura é o maior e mais importante investimento que podemos fazer.