sexta-feira, 17 de abril de 2015

NO MAR AGITADO COM O SENHOR



“Fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar.”
(1 Co 10.13)
Em Marcos capítulo 6 Jesus ordena que seus discípulos entrem no barco e se dirijam para Betsaida, enquanto Ele permaneceria mais um pouco, a fim de orar. A noite chegou e O Mestre percebeu o exato momento em que os discípulos, no meio do lago, remavam com bastante dificuldade, embora, estes não O vissem. Podemos até em algum momento perder Jesus de vista, mas Ele jamais nos perderá de vista. Essa é a primeira coisa que devemos guardar em nosso coração quando estivermos atravessando as provas da vida, quando estivermos “no meio do lago”. 

A segunda lição que tiramos é que Jesus só intervirá na hora em que achar oportuno (Já de madrugada, entre as três e seis horas, Jesus foi até la... Mc 6.48). A principio, os discípulos ficaram apavorados quando O viram andar por cima das águas e ouviram estas palavras tranquilizadoras: “Coragem, sou eu! Não tenham medo!”. Porém ficaram maravilhados, quando após isso veio a bonança e O Senhor Jesus os levou a um porto seguro.

Quantos milagres os homens que seguiam a Jesus de Nazaré já haviam presenciado. Entretanto, ainda não tinham se dado conta do quanto ELE era poderoso. Da mesma forma somos nós! Há uma infinidade de ocasiões guardadas em nossa memória, das vezes em que O Senhor interferiu em nossa vida para mostrar o quanto se preocupa e se interessa por nós. O mundo no qual estamos inseridos é “um mar agitado”, mas, não podemos nos esquecer que Jesus está no céu e intercede por nós. Que Deus conhece cada detalhe de nossa vida e que nos períodos mais difíceis Ele nos protege e coloca limites ao nosso sofrimento. Quando começarmos a vacilar em nossa fé, tragamos à nossa memória todos os momentos no qual Ele nos ajudou. E que isso sirva de coragem e alento para prosseguir ante os períodos sombrios que porventura venhamos passar.

sábado, 28 de março de 2015

Educados ou transformados?



Um dos pontos essenciais que necessitamos observar é que Jesus não veio à terra mudar o padrão moral do homem, ele veio mudar a natureza do homem. A mudança de comportamento moral tem seu inicio fundamentado na nova natureza. Toda mudança de comportamento que não seja a partir da natureza santa de Deus em nós não durará muito tempo. Jesus veio mudar nossa natureza e nos educar conforme o novo homem criado por Deus.

Quando tentamos a transformação do homem pelo caminho inverso armamos uma armadilha que o pegará assim que sua natureza antiga for provocada. A historinha a seguir ilustra com mais clareza este fenômeno:

Certo filósofo adotou um gato de estimação e por vários anos o doutrinou de acordo com princípios morais e éticos da filosofia. O gato tornou-se um verdadeiro cavalheiro. Admirado de seu trabalho tão bem executado, o filósofo que repudiava o conceito do evangelho, encontrou um homem de Deus e lançou um desafio a ele. O desafio era que o homem de Deus deveria ir a sua casa e ser convencido de que a filosofia e não Jesus Cristo mudava o ser humano e iria comprovar isso demonstrando o comportamento exemplar de seu gato. O homem de Deus topou verificar de perto esta situação. Os dois combinaram um almoço na casa do filósofo. Ao chegar em sua casa o homem se assentou a mesa. Logo chegou o gato, vestido com um smokin finíssimo, assentou em sua pequena cadeira como um verdadeiro cavalheiro, tomou os talheres, o guardanapo e procedeu de maneira incrivelmente ética. O filósofo com muito orgulho afirmou: “está vendo? A filosofia transforma de verdade”. O homem de Deus observou por alguns segundos a etiqueta do gato e colocando a mão no bolso de seu paletó tirou um rato. Soltou o rato em cima da mesa. Ao enxergar um rato sobre a mesa o gato com um impulso violento rasgou seu smokin, virou o prato, jogou seus talheres, e voou sobre aquele rato o estraçalhando ali sobre a comida. Então o homem de Deus fitou o filósofo e disse: “a filosofia deixa as pessoas como este gato, muito bem educadas, mas basta provocar a natureza delas que elas revelarão quem realmente são. Só Jesus Cristo transforma a natureza do homem”.

E assim é a igreja em nossos dias: muitos educados e poucos transformados.



(Transcrito  - Pr. Silvio de M. Westphal.)


segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

DESOBEDIENCIA A DEUS: AONDE ELA NOS CONDUZIRÁ!



“Qual será o fim daqueles que são desobedientes ao evangelho de Deus?”
(1Pe 4.17)

Se dissermos que a obediência é uma característica natural em nós, estaremos mentindo. Revendo a história percebemos uma gama de ações repletas de excessos com o fim de alcançá-la. A maioria das forças políticas e ideológicas exigem obediência do povo tendo como único objetivo a manipulação, e este, ao identificar que foi enganado não aceita mais submeter-se às autoridades.

Somos propensos a não aceitar que desconsiderem a nossa vontade e muito menos a fazer o que os outros querem. A rebeldia tanto na família, como na vida profissional ou pública, prejudica as relações e a cooperação fica praticamente impossível.

Entretanto, existe uma Pessoa que requer de nós obediência irrestrita e absoluta, que não admite que um milímetro da Sua Autoridade seja contestada: O Deus Todo Poderoso!  Com Ele não há permuta: é sim sim, não não.

Um dia estaremos todos diante do Senhor, e perante o Seu Julgamento toda boca silenciará. Porém, Ele é O Deus de Amor e Graça e “não quer que de maneira alguma que alguns se percam” (2Pe 3.9), e exatamente por isso “anuncia agora a todos os homens e em todo lugar, que se arrependam” (At 17.30).

Obedecer à Palavra Revelada e aceitar a Jesus Cristo com Senhor e Salvador significa receber herança na glória celestial. A porção, todavia, de todo aquele que renega e desobedece a Deus e as Verdades contidas nas Escrituras, será o juízo eterno.

Qual será então, “O fim daqueles que são desobedientes ao evangelho de Deus? “OS rebeldes habitam em terra seca(Sl 68.6), e “serão lançados nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes” (Mt 8.12), diz O SENHOR.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

DEUS LIBERTADOR



Eu o instruirei e o ensinarei no caminho que você deve seguir; eu o aconselharei e cuidarei de você.

(Sl 32.8)

Conta-se a história de um contêiner que caiu ao mar deixando escapar 19 mil bichinhos de borracha. Meses depois um desses bichinhos foi encontrado no Alaska. Vez por outra, nas mais variadas praias do mundo surgiam outros. Estudiosos afirmam que 2000 mil desses brinquedos ainda estejam circulando pelos mares; muitos presos a redemoinhos, condenados a viajar sempre pelo mesmo caminho, girando pelas mesmas águas. Mas, uma mudança no clima, um maremoto, a presença de um grupo de tubarões ou baleias pode alterar a trajetória de alguns desses bichinhos. A diminuição desses itens de borracha no giro lhes garante a possibilidade de se libertarem. E, ainda que passem anos e anos girando pelas mesmas águas, um dia inevitavelmente encontrarão um caminho que os leve até a costa.


São muitos aqueles que viajando pelo mar da vida caem antes de chegar à segurança da praia, fazendo com que a viagem torne-se extremamente penosa. Alguns conseguem nadar rapidamente e se desvencilharem do perigoso mar. Outros, entretanto, nadam por anos e anos, chegando ao ponto de perderem a esperança. Ficam aprisionados pelos redemoinhos das dificuldades, das tentações, dos erros, dos vícios. Sentem-se como se estivessem condenados a viajar eternamente pelos mesmos caminhos. Deus, porém, é Aquele que muda o tempo e as estações, que move os meios, as situações e as pessoas para que nos ajudem a encontrar o verdadeiro caminho. O Senhor cuida, fortalece, endireita e torna perfeita as veredas dos Seus filhos. Seu nome é El Shaday, O Deus todo poderoso, que nos tira dos redemoinhos e nos leva para o porto seguro. Entreguemo-nos a Ele com confiança.


segunda-feira, 17 de novembro de 2014

VÊ-LO, OUVI-LO E SEGUI-LO



 “Eu sou o bom pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido. Assim como o pai me conhece a mim, também eu conheço o pai, e dou a minha vida pelas ovelhas”.
(Jo 10.14-15)
Geralmente ao lermos João 10 o que vem à nossa mente é que ele foi escrito com o único propósito de garantir a nossa eterna segurança; o que não deixa de ser verdade, uma vez que nos traz um imenso conforto. Ter a convicção de que somos as ovelhas do Bom Pastor, que deu a Sua vida para nos resgatar do poder das trevas e nunca nos abandonará é mais que suficiente para crer que em Suas mãos estaremos eternamente seguros.

Esse precioso capítulo destaca, não as ovelhas, mas volta-se para a grandeza, bondade e amor do PASTOR. Ele foi escrito para ilustrar o cuidado terno e constante que O Senhor Jesus tem pelo rebanho do Seu pasto; e para confirmar o que está escrito em Isaias 40.11: ”Como pastor, apascentará o seu rebanho; entre os braços, recolherá os cordeirinhos e os levará ao seu regaço...”. João, inspirado pelo Espírito Santo, nos revela a Sua Majestade, a melodia de Sua voz e consequentemente ao ouvi-la venhamos obedecê-la e nos rendermos a ELe.

No capítulo 9 lemos sobre o homem cego de nascença curado por Jesus e que foi expulso da sinagoga. Ele era uma dessas ovelhas, cujos olhos espirituais foram abertos. E quando mais tarde O Mestre o encontra pergunta-lhe: “- Você crê no Filho do homem? – Senhor quem é o Filho do homem para que creia nele? – Você já o viu! É Ele que está falando com você! – Eu creio Senhor. E se ajoelhou e o adorou.”. O padrão é exatamente este: olhar com os olhos da fé e reconhecer que de fato, Jesus é O Messias, O Salvador do mundo. Vê-Lo, ouvi-Lo, adorá-Lo e segui-Lo é o principio de nossa visão espiritual.